Promoção

da agricultura sustentável
na cadeia de grãos

A AMAGGI atua com determinação no apoio ao desenvolvimento de uma agricultura mais sustentável, que respeita o meio ambiente, as pessoas e a vida das comunidades locais, contribuindo para o desenvolvimento social, ambiental e econômico da cadeia produtiva.

Assim, a cada ano a empresa procura fortalecer a parceria com seus fornecedores de grãos, realizando a orientação dos produtores rurais para a adequação socioambiental de suas propriedades. Para isso, a AMAGGI mantém, em sua Diretoria de Sustentabilidade, um núcleo de Gestão Responsável da Cadeia de Grãos, que atua especificamente no desenvolvimento de atividades e projetos voltados a apoiar um melhor desempenho socioambiental dos produtores rurais.

A fim de garantir uma compra responsável de grãos, a AMAGGI avalia seus fornecedores com base em critérios socioambientais estabelecidos, que constituem princípios mínimos de sustentabilidade a serem atendidos:

Áreas embargadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama): a AMAGGI proíbe a comercialização de grãos provenientes de áreas que estejam na lista de embargos por desmatamento ilegal;

Áreas embargadas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Mato Grosso (Sema-MT): a AMAGGI não comercializa grãos provenientes de áreas que estejam na lista de embargos do estado do Mato Grosso por desmatamento ilegal;
Terras Indígenas e Unidades de Conservação: a AMAGGI não comercializa com produtores cujas áreas produtivas incidam em Terras Indígenas e Unidades de Conservação;

Áreas desmatadas no bioma Amazônia após 2008: por meio da Moratória da Soja, a AMAGGI compromete-se a não adquirir soja oriunda de áreas desmatadas após 2008 no bioma Amazônia. Desde 2016, o Grupo de Trabalho da Soja (GTS), que reúne a indústria, a sociedade civil e o governo, decidiu manter esse compromisso por tempo indeterminado. Periodicamente, realiza-se uma análise das áreas desmatadas após 2008 no Bioma Amazônia e das atividades ali implantadas – se for confirmado que a área está produzindo soja, a AMAGGI não realiza a compra do produto. Anualmente, a companhia recebe uma auditoria externa para atestar o cumprimento do Pacto;

Lista Suja do Trabalho Escravo do Ministério do Trabalho e Emprego: a AMAGGI não comercializa com nenhuma pessoa ou empresa que integre a Lista Suja do Trabalho Escravo. Além de acompanhar a atualização da lista, a companhia assinou o Pacto pela Erradicação do Trabalho Escravo, que reforça ainda mais o compromisso. A AMAGGI também integra o InPacto, instituição dedicada a fortalecer e ampliar as ações no âmbito do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo.

Na AMAGGI, 100% da cadeia de fornecedores deve atender a esses critérios socioambientais. Fornecedores que apresentem alguma das restrições acima têm seu cadastro bloqueado, ficando impedidos de comercializar com a empresa até que regularizem sua situação ou comprovem que não há irregularidades na área de origem dos grãos, atendendo integralmente aos critérios estabelecidos pela companhia. Nesses casos, a área de Sustentabilidade realiza uma análise de risco das condições socioambientais daquela propriedade rural, podendo vetar a comercialização.

No último ano, a companhia teve 44 comercializações vetadas pela área de sustentabilidade, por oferecerem riscos relacionados aos critérios socioambientais adotados.

Para produtores que comercializam na modalidade de adiantamento por conta de preço, a AMAGGI conta com uma avaliação específica. Além de serem avaliados os critérios socioambientais, a equipe da filial que se relaciona diretamente com o produtor realiza vistorias in loco, avaliando quesitos ambientais, de infraestrutura, trabalhistas e sociais, que integram uma ficha socioambiental a ser validada pela equipe de Sustentabilidade. Também se analisa a área da propriedade por meio de imagens de satélite, a fim de garantir que a origem do grão atenda todos os critérios socioambientais da AMAGGI. Nessa modalidade de comercialização, foram analisadas 667 operações em 2017.

Sustentabilidade na originação de grãos

Uma das principais ferramentas da AMAGGI para assegurar a sustentabilidade na originação de seus grãos é a plataforma ORIGINAR – Originação AMAGGI Responsável, desenvolvida por meio da tecnologia Agrotools, uma das mais avançadas do setor. Com ela, é possível analisar de maneira mais precisa e detalhada as áreas com as quais a empresa comercializa, gerando-se um extrato socioambiental da propriedade e do produtor, que é gerado após o cruzamento com os dados do atendimento aos critérios socioambientais.

Circuito Tecnológico AMAGGI

Em 2017, segundo ano de realização do Circuito Tecnológico AMAGGI, a iniciativa expandiu sua área de abrangência, levando informações e soluções inovadoras a um número ainda maior de produtores rurais, nos estados de Mato Grosso e Rondônia. Com eventos realizados em 25 localidades (22 em Mato Grosso e 3 em Rondônia), entre os dias 13 de janeiro e 18 de fevereiro de 2017, o Circuito abrangeu aproximadamente 2 milhões de hectares de área produtiva, um incremento de mais de 60% em relação a 2016.

Os eventos, realizados em fazendas de produtores parceiros, proporcionaram ao público participante trocas de experiências, acesso a informações e orientações sobre controle de doenças e pragas e esclarecimento sobre manejo sustentável e certificações socioambientais. Em 2017, os eventos atraíram mais de 2 mil participantes, sendo 639 produtores rurais (um aumento de mais de 30% em comparação com 2016), superando as expectativas e confirmando ser uma poderosa ferramenta de relacionamento com o produtor rural – um dos principais parceiros de negócio da companhia.

Certificações socioambientais
de propriedades rurais

Buscando afirmar seu compromisso com o desenvolvimento sustentável da cadeia de grãos, em 2017 a AMAGGI manteve certificações de atendimento a critérios socioambientais e de qualidade. Elas estimulam um melhor desempenho socioambiental e econômico do setor do agronegócio, contribuindo para a conservação dos recursos naturais e para o estabelecimento de condições justas e bem-estar para os trabalhadores e comunidades próximas às propriedades rurais.

A AMAGGI encerrou o ano de 2017 com 102 propriedades rurais certificadas, sendo 64 pelo A.R.S. e 38 pela RTRS, além de 341 produtores parceiros certificados pelo ProTerra Standard. Para mais informações sobre as certificações socioambientais, acesse o capítulo “Certificações”.