Combate ao desmatamento

e proteção da biodiversidade

A AMAGGI mantém todas as suas propriedades em conformidade com o Código Florestal Brasileiro e demais legislações ambientais do país, realizando todas as suas atividades produtivas fora dos limites de Unidades de Conservação ou quaisquer outras áreas protegidas por lei. Para expandir suas áreas de produção, a empresa privilegia a aquisição de propriedades já convertidas e consolidadas, e investe em sua recuperação, empreendendo análises não apenas fundiárias, mas também de todas as questões e obrigações legais socioambientais. Nos Anexos deste relatório estão disponíveis detalhes sobre as propriedades da AMAGGI, como tamanho e localização geográfica, entre outros.

Desde 2013, a companhia adota, em algumas de suas propriedades, a integração entre lavoura e pecuária, que constitui uma estratégia de produção mais sustentável. Nessas áreas, atividades agrícolas, pecuárias e florestais são realizadas em consórcio, o que contempla adequação ambiental, valorização da comunidade e viabilidade econômica.

Em 2017, a AMAGGI deu prosseguimento às atividades dos Planos de Recuperação de Áreas Degradadas em suas áreas de preservação permanente, utilizando, sobretudo, as técnicas de plantio direto das mudas. Também ocorre a condução à regeneração natural, pois algumas áreas conseguem boas respostas dessa forma. Todos os planos são vistoriados pela equipe de Sustentabilidade, pelo menos duas vezes ao ano, determinando-se as instruções técnicas e as atividades a serem realizadas; em visitas posteriores, verifica-se a realização e a eficácia das atividades. A equipe elabora relatórios anuais de acompanhamento, que são apresentados aos órgãos ambientais competentes. A equipe corporativa também executa o licenciamento da propriedade rural, orienta sobre a recuperação das áreas degradadas e realiza vistorias locais, conforme a necessidade.

Em 2017, foi realizado o cercamento da Fazenda Dois Córregos, localizada em Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso. Essa área estava propensa a invasões e consequente desmatamento. Além disso, algumas áreas na região de Itacoatiara, no estado do Amazonas, já contam com monitoramento por meio de vigias que conferem mensalmente a situação local. Áreas de compensação de Reserva Legal que ainda não puderam ser doadas/desoneradas ao Estado são monitoradas em sobrevoo de avião ou mesmo com visitas periódicas de colaboradores.

Além dessas medidas, a AMAGGI realiza ações de conscientização dos colaboradores e parceiros; adota o uso de placas de atenção, proibição de caça e pesca e extração; manutenção de aceiros para evitar queimadas; e construção de cercas para isolamento.

As pequenas centrais hidrelétricas da AMAGGI beneficiam-se do uso de recursos naturais, como os rios. Por isso, a companhia adota planos de monitoramento e controle ambiental, como os de fauna, ictiofauna e hidrossedimento, além do gerenciamento de resíduos; plano de recuperação das áreas degradadas na implantação do projeto; e controle da qualidade da água. Essas ações permitem mitigar os impactos negativos significativos.

Todos os portos localizados às margens dos rios e que utilizam a navegação para desenvolver sua atividade contam com Plano de Emergência Individual, a fim de organizar o atendimento de eventuais ocorrências que possam causar danos ao meio ambiente.

Em 2017, houve transformação de paisagem na fazenda SM3B, em Itiquira, por meio da exploração e queima da seringueira com a devida autorização para o corte e queima das árvores e atendimento de todas as condicionantes exigidas pelo órgão ambiental, garantindo a minimização dos impactos da atividade.

Cadeia livre de desmatamento

A AMAGGI vem trabalhando seriamente para ter uma cadeia de fornecimento livre de desmatamento. Para isso, participa ativamente de iniciativas como a Moratória da Soja e a Estratégia MT: Produzir, Conservar e Incluir (PCI), investe na certificação socioambiental e no desenvolvimento dos produtores rurais como forma de estímulo à regularização ambiental e de combate ao desmatamento (saiba mais no capítulo “Certificações”). Por meio da plataforma ORIGINAR – Originação AMAGGI Responsável (saiba mais no capítulo “Promoção da agricultura sustentável na cadeia de grãos”), a companhia pode efetuar análises precisas das áreas das quais adquire grãos, evitando realizar operações com todas aquelas que não cumprem seus requisitos socioambientais.

A AMAGGI vem combatendo os incêndios florestais com a construção de aceiros e limpeza de faixas de servidão, tanto internas quanto externas a suas fazendas. As unidades da companhia dispõem de brigadistas treinados e equipamentos para atuar nessas situações, que se asseveram muito nos períodos de estiagem.

Projeto Tanguro

Iniciado em 2004, após parceria da AMAGGI com o Ipam, este projeto reúne um grupo de cientistas e estudantes de diversos países, com o objetivo de investigar os impactos diretos da agricultura na biodiversidade, na saúde das florestas, nos ambientes aquáticos e nas dinâmicas de nutrientes. Em 2018, a AMAGGI renovará esta parceria por mais cinco anos.

Em 2017, o Projeto Tanguro esteve no centro de um debate internacional, realizado pelo Ipam, para discutir como conciliar a produção de alimentos, a integri­dade ambiental e as mudanças climáticas, e estudantes de uma universidade parceira passaram uma sema­na na Fazenda Tanguro para compreender os efeitos do desmatamento na Amazônia e criar recomendações prá­ticas para o governo brasileiro.