Cadeia

de valor

Para a AMAGGI, a construção de soluções para os desafios sociais, ambientais e humanos mais complexos só pode ser alcançada por meio de um processo conjunto, participativo e estruturado junto a todos os atores de sua cadeia de valor, conforme previsto em sua Política Socioambiental. Esse esforço passa pelo investimento em sistemas de produção mais eficientes e sustentáveis, contribuindo para o desenvolvimento de todo o setor do agronegócio, do qual faz parte.

Os impactos econômicos positivos diretos e indiretos gerados pela AMAGGI no desenvolvimento do agronegócio em toda a sua cadeia já são amplamente reconhecidos. Em nível regional e local, a companhia gera empregos diretos e indiretos, além de contribuir para alavancar novos negócios e estimular o desenvolvimento das regiões, por meio da dinamização da economia local e regional. A AMAGGI também tem tido um papel fundamental na ampliação dos modais de transporte para escoamento de grãos no país.

A empresa é responsável pela coordenação do Grupo Temático de Alimentos e Agricultura da Rede Brasil do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). O grupo – que abrange produtores, traders, varejistas, investidores, instituições financeiras, parceiros institucionais e governos, organizações não governamentais (ONG), entre outros – atua na promoção dos seis Princípios Empresariais para Alimentos e Agricultura (PEAA), voltados à segurança alimentar e ao respeito ao meio ambiente e aos direitos humanos, entre outros, bem como no alinhamento com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Cadeia de Grãos da AMAGGI

A Cadeia de Grãos da AMAGGI envolve desde a compra de grãos (soja e milho) e insumos junto a diferentes fornecedores, armazenagem de produtos, processamento, transporte rodoviário e hidroviário, até a sua comercialização no mercado externo e interno.

A AMAGGI origina grãos no Brasil e em suas unidades internacionais na América do Sul. Em 2017, cerca de 80% do volume originado no Brasil foi exportado, bem como todo o volume originado nas unidades internacionais, tendo como destino a Ásia, a Europa e a África.

Além de realizar a venda de grãos, a companhia conta com instalações, no Brasil e na Noruega, para beneficiamento de soja transgênica e não transgênica respectivamente, produzindo farelo e óleo para os mercados doméstico e internacional. A empresa mantém ainda escritórios de comercialização em países como Argentina, Paraguai, China, Suíça e Holanda.

Com uma cadeia de grãos que não para de evoluir em termos de qualidade do produto e responsabilidade socioambiental, a AMAGGI consegue atender mercados tão rigorosos como o europeu, que consome predominantemente produtos in natura e derivados da soja convencional. A exigência do mercado externo tem impulsionado o Brasil a ser cada vez mais responsável socioambientalmente, e rigoroso quanto ao cumprimento dos requisitos legais. Os compromissos e certificações da AMAGGI e de sua cadeia atendem a essa demanda e atestam sua atuação sempre voltada à sustentabilidade (para mais informações, acesse o capítulo “Certificações”).

Passe o cursor sobre os sinais de “+” para visualizar o descritivo.

Aquisição de grãos de soja e milho, além de outros insumos agrícolas como sementes e fertilizantes.

Produção de soja, milho, algodão e sementes de soja em fazendas próprias localizadas em Mato Grosso.

Os grãos comprados ou produzidos seguem para os armazéns da AMAGGI, presentes em várias regiões do país.

Parte da soja produzida ou originada pela AMAGGI é processada nas plantas industriais da companhia.

Os grãos comprados ou produzidos, bem como o farelo, seguem por rodovias para os principais portos do país.

Parte dos grãos transportados segue pela malha ferroviária até os portos de Santos (SP) ou Rio Grande (RS).

Os grãos levados até Porto Velho (RO) seguem por barcaças operadas pela AMAGGI, por meio dos rios Madeira e Amazonas, até Itacoatiara (AM).

Os grãos ou farelo que chegam aos portos são exportados por navios para destinos como Ásia e Europa.

A AMAGGI atua em toda a cadeia do agronegócio, tendo como foco principal o mercado externo de commodities.