Delegação norueguesa percorre fazendas de soja não-transgênica em MT

Publicado em 06 de julho de 2018   |   0 Comentários

​Denominada “non-GMO” (Genetically Modified Organism), a soja não-transgênica cultivada e originada pela AMAGGI atraiu a visita de uma delegação de noruegueses a Mato Grosso entre os dias 25 de fevereiro e 2 de março.

A convite da Denofa, a fábrica processadora de soja da AMAGGI em Fredrikstad, a delegação de 14 pessoas incluiu representantes de indústrias norueguesas, do governo norueguês (ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente), da Embaixada da Noruega no Brasil e da organização norueguesa Footprint, bem como o diretor de Sustentabilidade e Qualidade da Denofa, Karl-Erik Slinning, e o CEO da Denofa, Bjørn Rask Thomsen.

A programação teve início com um workshop realizado na sede da AMAGGI, em Cuiabá, no dia 26 de fevereiro. Na ocasião, a delegação teve a oportunidade de discutir aspectos de sustentabilidade da produção e da originação de grãos de soja convencional com diretores da AMAGGI e representantes da Secretaria estadual de Meio Ambiente, do Instituto de Pesquisas da Amazônia (Ipam), da Associação Brasileira das Indústrias de Óleo Vegetal (Abiove) e das organizações IDH e Earth Innovation Institute.

Mesa-redonda na sede da AMAGGI sobre produção sustentável integrou programação

Mesa-redonda na sede da AMAGGI sobre produção sustentável integrou programação

 

Entre 27 de fevereiro e 1º de março, a delegação conheceu a produção de soja convencional da Fazenda Itamarati, em Campo Novo do Parecis (MT), e também visitou a fazenda de Altair José Maria, parceiro da AMAGGI e um dos produtores locais cujos grãos não-transgênicos viajam até o mercado europeu. A visita se encerrou no dia 2 com uma reunião de toda a delegação com a diretora de Sustentabilidade, Comunicação e Compliance da AMAGGI, Juliana Lopes, sobre questões técnicas e da cadeia de valor envolvendo a produção sustentável de soja nos biomas Amazônia e Cerrado. A grande preocupação expressa pelos importadores europeus é de que os grãos não sejam oriundos de áreas de desmatamento ilegal.

Delegação conheceu as práticas agrícolas da Fazenda Itamarati, em Campo Novo do Parecis

Delegação conheceu as práticas agrícolas da Fazenda Itamarati, em Campo Novo do Parecis

 

Soja convencional
Toda a soja convencional produzida e/ou originada pela AMAGGI tem como destino a Europa, sendo cerca de 30% para a Denofa. De acordo com o CEO da Denofa, Bjørn Rask Thomsen, a soja in natura exportada para Fredrikstad é esmagada na fábrica e comercializada. Em grande parte, o farelo é destinado a indústrias de ração animal (para produção de proteína animal); por sua vez, a lecitina se destina majoritariamente às indústrias que a utilizam como emulsificante (ingrediente que permite a mistura estável de elementos como água e óleo), como na fabricação de chocolates.

“Na Noruega e na Europa existe atualmente um debate sobre como resolver o conflito entre a produção de alimentos no mundo e a preservação da natureza. Então, nós queríamos trazer nossos colegas da indústria de alimentos e representantes do governo para verem em primeira mão como as coisas estão acontecendo, o que pode ser melhorado e o que já está indo bem. O produtor quer ter 100% de certeza de que pode confiar na cadeia de produção da Denofa, de que a soja é não-transgênica e de que temos toda a documentação a respeito dela”, explica Bjørn Rask Thomsen.

Bookmark and Share